top of page

Iluminação Cinematográfica

Narrar com a Luz: Técnicas e Criação de Atmosferas

Sobre o Curso

Este curso convida estudantes de direção de fotografia, audiovisual e filmmakers para uma imersão nos aspectos narrativos e técnicos da iluminação cinematográfica. Ao longo de duas semanas (segunda a sábado), a turma trabalhará em grupos na concepção e realização da iluminação de uma cena sob a mentoria de diretores de fotografia e chefes de elétrica atuantes no mercado, que ajudarão a criar caminhos e soluções para contar uma história e viabilizar tecnicamente as escolhas e necessidades das cenas.

Pensado com foco intenso no “mão na massa”, o curso oferecerá a uma turma pequena a possibilidade de trabalhar em um rico ambiente de prática com aparato de luz completo, estrutura profissional viabilizada pela a participação de parceiros da indústria como Electrica, ARRI, Velvet e Light Motion.

Conteúdo Programático

1. A luz - e sua ausência - na construção das diversas atmosferas no cinema

Apresentação do Curso e da turma. 


Narrativa visual: O que nos interessa num quadro? É importante que uma imagem contenha mais significados do que sua literalidade a confere.

 

Apresentação de natureza das luzes - dura, difusa e rebatida.

Apresentação de diferentes tipos de luzes diegéticas.

Demonstração de diferentes refletores/lâmpadas/mecanismos - materiais para difundir, recortar, "mandrakar" e negativar. 

 

Apresentação, em um set "dressado", com algumas situações de luz montadas, mostrando diferentes possibilidades de luz e dispositivos: Led, tungstênio, HMI, praticals, etc.

5. A equipe de fotografia

A importância da relação com Chefe de Elétrica / Gaffer e Chefe de Maquinária.

 

A função criativa de cada função e a relevância desses cargos na criação em conjunto do desenho de luz.

9. Visita Técnica

Scout nas locações. O que deve ser levado em conta nessa fundamental etapa?


Apps e equipamentos úteis para a equipe de fotografia.

2. Do roteiro à cena

 

Apresentação, leitura e conversa inicial do roteiro que será trabalhado durante o curso. 

Quais elementos textuais impulsionam imagens?

 

Por onde começamos a ler e imaginar fotograficamente um roteiro?

Debate inicial de ideias de como a turma visualiza o roteiro imageticamente.

6. Diferentes situações de luz: especificidades, subjetividades e desafios

Diferentes situações de luz: especificidades, subjetividades e desafios

 

As diferentes situações de luz.

 

Quando falamos “externa dia” o que você pensa? Com o que é necessário se precaver? Quais ferramentas nos auxiliam a planejar com máxima precaução?

 

Apps importantes.

Diferentes situações de luz: do sol, da lua e de fogo. Como sugerir pequenas alterações dramáticas no roteiro que possam aumentar o potencial narrativo do filme? O que podemos agregar aos roteiros pensando na fotografia?

Apresentação dos exercícios, separando os grupos, propomos filmar o mesmo diálogo em diferentes momentos do dia, diferentes mis en scènes, e atmosferas, tentando encontrar diferentes dramaticidades.

10. Orçamento e Preparação

Revisão das listas de luz com orçamento e sugestões.

Na tomada de decisões, é importante que a fotografia entenda o orçamento de um projeto de modo a criar listas viáveis dentro de uma realidade de produção.

Lista de gelatinas, filtros e luzes diegéticas.

3. Conceito Fotográfico

Criação de conceito: contando história com a luz, como meio de trazer sentimento, sensação.

 

Como criar um documento que comunique com os outros departamentos as intenções da fotografia. 

 

Conceito: O uso do contraste, super ou sub exposição, uso de cores na luz, contraste cromático e temperatura de cor.

Uso de referências para ajudar a construir um caminho.

 

A direção da luz - os diferentes eixos de luz em relação a um objeto, personagem e/ou espaço.

 

A luz como geradora de volume e separadora de camadas de um plano.

Como criar contraste e profundidade na imagem.

 

Criação de atmosfera cinematográfica.

7. A fotografia na pré-produção e sua equipe de fotografia

Um dia inteiro com convidados pra falar sobre questões técnicas e formações de equipe (elétrica, maquinaria, câmera, etc).

Convidados das diversas áreas comentam sobre sua atuação/relação com a direção de fotografia, e exemplificam com fotos ou vídeo de making-ofs situações interessantes/desafiadoras que tiveram em sets de filmagem.
 
A relação com equipe de câmera e DIT, a importância de checar a exposição, uso de fotómetro, false color e vector scope.

Neste dia, a turma poderá experimentar parte dos equipamentos de luz, maquinaria e câmera que disponibilizaremos  durante as filmagens. Assim, esse dia, ao reunir parte técnica e profissionais do mercado, a aula torna-se uma espécie prática de “ensaio geral” para as filmagens dos grupos.

E, nesta prática, nos defrontaremos com temas que são essenciais dominarmos/pensarmos na criação da direção de fotografia, tais como: técnicas específicas de iluminação, posicionamento de refletora (distância do ator até a luz), difusões e rebatedores, temperatura de cor, qualidade da luz, brilho nos olhos, negative fill, close-up, haze e toplight.

Um dia de simulação e aplicação práticas dos conceitos e atmosferas apresentadas nos encontros anteriores.

11. Filmagem 

Nesta etapa, a turma dividida em 4 grupos concretiza os conceitos e reflexões desenvolvidos nos encontros anteriores, atuando diretamente em uma produção de set de filmagem completo, incluindo ordem do dia, tempo para montagem de luz, filmagem e desprodução, além de uma equipe profissional completa. 

Os grupos executam e iluminam diferentes cenas, cada um com um conceito de fotografia diferente. Assim, desenvolvem na prática como mesmos refletores reunidos de diferentes formas podem produzir surpreendentes formas de iluminação.

 

Também, nessa etapa, desenvolve-se a relação com a equipe, como se comunicar com elétrica e maquinaria, e como guiar a equipe de câmera. Atua-se profundamente na organização do corpo do set de filmagem, pensando em tempo, orçamento e surpresas que todo set reserva em sua criação.

Cada um dos grupos - aliados a seus tutores construirão uma diferente situação ​de luz:
 

1 - Externa Noite - 2 - Externa / Interna Dia

3 - Interna - Estúdio ou Locação - 4 - Interna - LED Wall

4. Fotografia, Arte e as equipes: uma construção conjunta da visualidade 

Conexão e importância do trabalho em conjunto com o Departamento de Arte

O curso pretende ensinar não somente como criar uma "luz bonita", mas também como a Direção de Fotografia pode trazer dramaticidade com a luz, e o quanto a narrativa visual é crucial pra se contar uma história.

 

Relação dos departamentos de Arte e Fotografia na construção de cenários, escolha de locações, luzes diegéticas, cortinas, janelas, texturas, objetos reflexivos.

 

Cores e luminância dentro do quadro: como chamar atenção para onde você quer.

8. Pitchings

Cada um dos 4 grupos apresentam em 30min o conceito de sua proposta.

 

Conversa sobre estilo, referências. Cada grupo poderá contribuí com ideias para o outro.

 

Definição de formato de tela, textura, cor, etc.

Conversa sobre locações, seus desafios e possibilidades.

12. Análise do material filmado e encerramento

Momento de análise do material filmado, onde será conversado como os grupos lidaram com o planejamento.

Avaliação com presença de um TID (DIT), para testes de Color Grading e as possibilidades que o material oferece para pós-produção.

 

Indicações para filmagens futuras:

 

Como iluminar para o plano aberto e para o plano fechado, prevendo mudanças entre planos (diálogo).

Plano-sequência

 

Tempo x orçamento x equipamentos x resultado estético.

Blocking e como é importante pro planejamento de luz.

As possibilidades da IA.

Encerramento.

shutterstock_524061766_edited_edited.jpg

Quais os diferenciais do curso?

01

Turmas Pequenas

O curso contará com uma turma de 24 pessoas, trabalhando em grupos de 6 pessoas. Uma turma menor permite sempre maior interação com profissionais da coordenação e mentoria, e maior contato com equipamentos.

03

Profissionais atuantes na Indústria

A coordenação e mentoria convidada para o curso é atuante na indústria audiovisual, com intensa participação nos projetos de streaming, longas-metragens e filmes publicitários, o que torna possível uma imersão nas formas e métodos de trabalho atuais de nossa indústria.

02

Ensino focado na prática

A Bucareste privilegia um ensino pautado na prática, com intensa carga de exercícios e contato com os equipamentos, criando um ambiente profissional de aprendizado intimamente  conectado à indústria audiovisual.

04

Equipamentos de ponta

Através de parcerias com importantes marcas e locadoras de equipamentos, oferecemos um ambiente onde os participantes estarão em contato direto com as tecnologias mais atuais do cinema e audiovisual.

Coordenação e Corpo Docente 

IMG_4976_edited.jpg

Luciana Baseggio, DAFB

Coordenação

Graduada em Realização Audiovisual pela UNISINOS em 2007 e bolsista graduada no mestrado europeu em Direção de Fotografia Viewfinder MA em 2019, Luciana Baseggio esteve entre os 16 diretores de fotografia escolhidos para participar do Camera Studio no Berlinale Talents 2020. 
 
Começou a trabalhar no mercado audiovisual como assistente de câmera e atualmente trabalha como diretora de fotografia em São Paulo. Nos 17 anos de carreira, trabalhou em mais de 50 filmes e séries, além de diversos curtas-metragens e comerciais. Entre seus mais recentes e importantes projetos na ficção estão o longa-metragem "Fogaréu", dirigido por Flávia Neves, que estreou em  2022 na Berlinale e que levou  prêmio de melhor fotografia no 48o Festival de Huelva, "Pasajeras", dirigido por Fran Rebelatto, que estreou no 11º Olhar de Cinema; e ainda os longas “A Estação", dirigido por Cristina Maure, que estreou em Tiradentes, “Continente”, de Davi Pretto com estreia em 2024, e o longa “A Solidão dos Jovens Atores", de Filipe Matzembacher e Marcio Reolon, e a série "Delegado", dirigida por Marcelo Lordello e Leonardo Lacca, que estão em fase de finalização. 
 
Em sua carreira destacam-se também o prêmio de melhor fotografia na Mostra Gaúcha do 48º Festival de Cinema de Gramado com o curta-metragem "Deserto Estrangeiro", filme que também foi finalista no Prêmio ABC no mesmo ano, e o Prêmio ABC em 2021 de melhor fotografia em curta-metragem pelo filme "Onde há pranto há mar", no qual também assina roteiro e direção.
 
É uma das fundadoras do DAFB, o Coletivo de Mulheres e Dissidentes de Gênero do Departamento de Fotografia do Audiovisual Brasileiro, fundado em 2016 para debater sobre o cenário de desigualdade de gênero na profissão.

Bruno Polidoro filmando Os Dragões_edited.jpg

Bruno Polidoro

Coordenação

Bruno Polidoro é diretor de fotografia de cinema, séries e filmes experimentais desde 2006.


Fotografou 23 longas-metragens, que estrearam em importantes festivais como Sundance (“A Nuvem Rosa”), IDFA: International Documentary FilmFestival Amsterdam (“5 Casas”), PÖFF: Tallinn Black Nights (“A Colmeia”), IFFI: International Film Festival of India (“A primeira morte de Joana”), É Tudo Verdade ("Verissimo") e Festival do Rio ("Os Dragões").

Recebeu mais de 30 prêmios de melhor fotografia em festivais, com destaque para os nove recebidos no Festival de Cinema de Gramado. Em 2023, recebeu o Prêmio APCA de Melhor Fotografia da Associação Paulista de Críticos de Arte pelo filme "5 Casas", foi finalista do Prêmio ABC na categoria Longa-metragem Ficção com o filme "A Colmeia", e recebeu o Kikito de Melhor Fotografia no Festival de Gramado por "Hamlet".

Também fotografou séries como “O Ninho”, de Filipe Matzembacher e Marcio Reolon; e curtas como “A Pedra”, de Iuli Gerbase (exibido no Festival de Havana), e "O que pode um corpo?", de Victor Di Marco e Márcio Piccoli (finalista do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro). Em 2022, participou do programa Camera Studio, da Berlinale Talents, no Festival de Berlim. 
 
Graduado em Realização Audiovisual e mestre pela Unisinos/RS, universidade na qual atuou como professor por 17 anos. Além do trabalho como fotógrafo, dirigiu o longa “Sobre sete ondas verdes espumantes”, seleção oficial do Festival É Tudo Verdade 2013.

WhatsApp Image 2024-06-02 at 17.40_edited.jpg

Bárbara Lopes, dafb

Coordenação

Formada em Audiovisual pelo Centro Universitário Senac e em Elétrica para Indústria Audiovisual pelo SENAI, Bárbara atua como Chefe de Elétrica há 5 anos. 

Iniciou sua carreira pela equipe de câmera, mas se encontrou no departamento de elétrica, onde atuou como Assistente de Elétrica.

Como Chefe desse departamento, participou de projetos de diversos streamings, em especial séries como "Manhãs de Setembro" 2T - Amazon Prime (vencedor do Prêmio ABC 2023 - Melhor Direção de Fotografia para Série de TV), "As Five" 2T - GloboPlay, "The Beat Diaspora" - Youtube Originals, "All That Drags" - E!, além de projetos de longa-metragem, videoclipes e publicidades, colaborando com diretoras e diretores de fotografia como Lito Mendes da Rocha, ABC, Janice D'Avila, ABC, Adolpho Veloso, ABC, Milena Seta, Luciana Baseggio, DAFB, Glauco Firpo, Gabriel Bianchini, entre outros.

 

Membra do Coletivo DAFB - Coletivo de Mulheres e Dissidentes de Gênero do Departamento de Fotografia do Audiovisual Brasileiro, fundado em 2016 para organizar e estimular a participação desse grupo no segmento, além de discutir a desigualdade de gênero na profissão.

Fernanda-3s (1)_edited.jpg

Fernanda Tanaka, ABC

Mentoria

Formada em Cinema e Vídeo pela ECA-USP em 1998, com especialização em Direção de Fotografia, trabalha no setor do audiovisual desde 1995.

 

Foi assistente de câmera por 16 anos, trabalhando com renomados fotógrafos como Lauro Escorel, ABC, Pedro Farkas, ABC, Dion Beebe, ASC, Lance Acord, ASC, entre tantos outros.

 

Fez quase 40 longas-metragens, inúmeras séries e comerciais.

Ganhou os prêmios de melhor fotografia em 2004, com o filme "Brincadeira", no 4o. Festival de Cinema de Varginha, e em 2015, com o filme "Do Meu Lado", no 10o. Festival de Cinema e Vídeo dos Sertões.

Membra da ABC (Associação Brasileira de Cinematografia - https://abcine.org.br/site/) há 18 anos, faz parte do conselho da atual diretoria.

É também membra da UDF (http://www.udfsp.com.br/wp/), e preside o Conselho de Preservação e Restauro de Filmes da IMAGO (International

Federation of Cinematographers - https://imago.org/about-us/committees/preservation-and-restoration-committee-members/).

Seus mais recentes trabalhos incluem os longas-metragens "Raquel 1:1", dirigido por Mariana Bastos, "As Órfãs da Rainha", dirigido por Elza Cataldo, que ganharam vários prêmios internacionais, e a série da Netflix “De Volta Aos 15” (1a. temporada).

Atualmente finaliza a série "Tarã" para Disney +, dirigida por Juliana Rojas e Marco Dutra, e estrelada por Xuxa, e que deve estrear em 2024.

omaormaco05_edited.jpg

Glauco Firpo

Mentoria

Glauco Firpo é diretor de fotografia e operador de câmera. Descobriu sua paixão pelo cinema ainda criança, através do vídeo cassete e fitas VHS. É graduado em produção audiovisual pela PUCRS. Seus primeiros trabalhos na equipe de câmera foram na casa de cinema de Porto Alegre, em projetos dos diretores Ana Luíza Azevedo e Jorge Furtado. Em sua carreira, trabalhou nas principais produtoras de audiovisual do país, como O2 Filmes, Prodigo, Gullane, Casa de Cinema, Conspiração Filmes, Globo, entre outras.

Assinou direção de fotografia em seis séries brasileiras, sendo elas, "Cidade Invisível temporada" 1 e 2, "Pico da Neblina", "Segunda Chamada", "Sintonia", "Diário de um confinado" e "5x Comédia", sendo indicado algumas vezes para o prêmio ABC.

Fotografou mais de uma dezena de longas-metragens, dos quais alguns foram selecionados em grandes festivais nacionais e internacionais como Berlinale, Rotterdam, Sundance, festival de Brasília, festival do Rio de Janeiro, entre outros.

Seu primeiro longa-metragem como fotógrafo, "Castanha" (2014), participou de mais de quarenta festivais por todo o mundo. Em 2017, foi selecionado para a edição do Berlinale Talent Campus – Studio Camera, e no mesmo ano ganhou o prêmio de direção de fotografia no Bosphorus Film Festival na Turquia, com o filme Rifle.

Em 2018, ganhou o prêmio de melhor direção de fotografia no festival For Rainbow – Festival de Cinema e Cultura da Diversidade Sexual e de Gênero com o filme "Tinta Bruta" em Fortaleza, no Ceará. Em 2019, ganhou o prêmio APCA de melhor direção de fotografia com o filme 'Tinta Bruta". Em 2022, ganhou o prêmio Leon Ortega Award no Huelva Latin American Film Festival com o filme "Fogaréu", na Espanha.

Nas artes plásticas, colaborou com projetos e obras dos artistas Nuno Ramos, Luiz Roque e Letícia Ramos.

WhatsApp Image 2024-05-28 at 13.06.34.jpeg

lícia Arosteguy

Mentoria

Graduada em Design pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre-RS-Brasil. Pós-graduada em Direção de Fotografia Cinematográfica pela Escola Superior de Cinema i Audiovisuals de Catalunya, (ESCAC), Terrassa/Barcelona (Espanha). Estudou Cinema Documental na Escuela Internacional de Cine y TV (EICTV) de San Antonio de los Baños (Cuba).

Como diretora de fotografia, começou sua trajetória na publicidade, tendo trabalhado para marcas como Nike, Google, Apple, Adidas e Embraer. Em 2021 e 2024 foi premiada por Melhor Direção de Fotografia de Filme Publicitário pela Associação Brasileira de Cinematografia (Prêmio ABC), e finalista no Whext Awards.

Também fotografou videoclipes, videodança, documentário e ficção. Seu primeiro longa-metragem documental como diretora de fotografia, "De Você Fiz Meu Samba", dirigido por Isabel Nascimento Silva e produzido por Hysteria/Conspiração Filmes, estreou no Festival do Rio em 2022, tendo sido exibido também na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Em 2023 foi finalista do Prêmio ABC na categoria Melhor Direção de Fotografia de Curta-metragem pelo filme "Queime Este Corpo", de Maurício Bouzon e Denis Cisma. Atualmente trabalha na pós-produção de seu terceiro longa-metragem ficcional, sob direção de Marcelo Lordello.

Bailarina desde que nasceu, já fez parte do elenco da Ânima Cia de Dança (Porto Alegre), com direção de Eva Schul, e participou de projetos como o Dar Carne à Memória (Prêmio Açorianos de Dança, 2010), e o Outras Danças- FUNARTE (2012). Participou de workshops em importantes centros de dança contemporânea como a Salzburg Experimental Academy of Dance (SEAD/ em Salzburg, Áustria), Performing Arts Research and Training Studios (P.A.R.T.S / em Bruxelas, Bélgica), Batsheva Dance Company (Gaga Dancers / em Tel Aviv, Israel); e com nomes como David Zambrano e Thomas Hauert.

Hoje desenvolve também trabalhos autorais em fotografia, envolvendo principalmente a temática do corpo, e em videodança. Seu projeto "O Corpo da Cidade", em parceria com o performer Douglas Jung, esteve em exposições individuais e coletivas no Brasil e na Espanha. Seu videodança cross-cap (2019) esteve em festivais do gênero em 9 países e foi vencedor do Prêmio Açorianos de Dança 2019 na categoria novas mídias. O videodança Elegia 1938, com a performer Luana Arosteguy, baseado no poema de Drummond e com voz de Caetano Veloso, foi um dos cinco filmes selecionados para a mostra de dança do PÖFF Shorts 2023 (Talin, Estônia) e segue em circulação por festivais.

WhatsApp Image 2024-05-28 at 14.26.41.jpeg

Pedro Sotero, ABC

Mentoria

Pedro Sotero é diretor de fotografia e desenvolveu uma consistente filmografia de curtas, longas-metragens e séries para TV.

 

Colaborando com diretores como Kleber Mendonça, Juliano Dornelles, Bárbara Wagner, Nara Normande, Joana Jabace, Gabriel Mascaro, Leonardo Lacca, Daniel Bandeira, Fellipe Barbosa, o argentino Benjamín Naishtat, entre outros. Em sua filmografia, fotografou mais de 15 longas metragens, que incluem cinco seleções oficiais no festival de cinema de Cannes; "Aquarius" (competição oficial 2016), Gabriel e a Montanha (semana da crítica 2017), "Bacurau" (competição oficial - prêmio especial do Júri 2019), Retratos Fantasmas (seleção oficial - special screening 2023) e "Baby" (semana da crítica 2024); foi vencedor do prêmio de melhor fotografia por ROJO no festival internacional de San Sebastian - SSIFF 2018.

 

Em 2019, trabalhou na pesquisa, roteiro e fotografia do filme instalação "Swinguerra", obra selecionada pra representar o Brasil na Bienal de Veneza do mesmo ano. Em 2021 estrearam dois longas-metragens e uma série de TV que fotografou, o longa argentino Coração Errante, de Leonardo Brzezicki, o brasileiro Rio Doce de Fellipe Fernandes e a segunda temporada da série Segunda Chamada de Joana Jabace para a Globoplay.

 

No final de 2022 o longa "Propriedade" de Daniel Bandeira foi selecionado para mostra Panorama da Berlinale 2023. Ainda em 2023, estrearam mais quatro projetos fotografados por Sotero; o longa documentário "Retratos Fantasmas" de Kleber Mendonça, (seleção oficial do festival de Cannes), o curta-metragem "Fala da Terra" de Bárbara Wagner e Benjamin de Burca, o longa de ficção "Meu Nome é Gal" de Dandara Ferreira e Lô Politi e a série de ficção da Globoplay "Betinho no Fio da Navalha", com direção geral de Lipe Binder, selecionada para a competição oficial da Canneseries.

 

Em 2024 ao lado de Joana Luz, co-fotografou o longa "Baby", de Marcelo Caetano, selecionado para competição oficial da semana da crítica do Festival de Cannes do mesmo ano.

Todos os coordenadores, professores e mentores dos cursos são profissionais atuantes da indústria audiovisual, e poderão ser substituídos.

Apoio

Log Electrica COR.png
arri-logo.png
lightmotion_vinheta_negativa_horizontal_2x-1024x576.png
V blanco sobre negro con texto.jpg

PróximaS tURMAS

1 a 14 de Julho de 2024

Semana 1

Aulas de segunda-feira a sábado

Segunda a sexta das 18h30 às 22h30

Sábado das 10h às 18h00

Semana 2

Aulas de segunda-feira a domingo

Segunda, terça e quarta das 18h30 às 22h30

Quinta e sexta das 17h30 as 23h00

Sábado das 11h às 22h30

Domingo das 14h00 às 19h00

Carga Horária: 67 Horas

Endereço:

Rua Padre Justino, 593 - Vila Pirajussara - Butantã

Investimento

3.900,00 à vista ou

12x de R$ 357,50

*Associades APAN, APTA, DAFB, estudantes de universidades públicas (renda familiar de até 2 salários mínimos) e participantes do Fies possuem 10% de desconto. 

**Ex-alunes da Bucareste possuem 10% de desconto.

 

Inscriçã0

Obrigado! Em breve entraremos em contato.

bottom of page