Crepúsculo dos Deuses e O Maior Espetáculo da Terra

25/09/2016

 

Apenas dois anos separam Crepúsculo dos Deuses (1950), de Billy Wilder, e O Maior Espetáculo da Terra (1952), de Cecil B. DeMille. Embora bastante diferentes, de ambos os filmes pode-se dizer que tratam do mesmo tema: Hollywood, “a máquina dos sonhos”.

 

No início de O Maior Espetáculo da Terra, um narrador (Cecil B. DeMille) nos apresenta o circo dirigido por Brad Braden (Charlton Heston) enquanto imagens documentais do Ringling Bros. and Barnum & Bailey Circus aparecem na tela. Em tom sensacionalista, B. DeMille disserta sobre o contraste entre a grandeza do espetáculo “vendedor de ilusões” e o submundo dos bastidores, onde predominam, como numa máquina, a disciplina e a velocidade. O circo, claro, é uma alegoria de Hollywood, e em toda a fala do narrador sentimos a promessa do acesso àquilo que está oculto por detrás das câmeras.

 

Cumprindo então tal promessa, Cecil B. DeMille nos mostra as entranhas do monstro: produtores sedentos por dinheiro, conflitos de interesses nos camarins e escritórios, pequenas vaidades e grandes interesses... Para que o show aconteça, suor, lágrimas – e um tanto de sujeira – se mostram necessários. Nada, porém, que chegue a tirar o brilho do espetáculo, nada que torne insuportável a visão dos subterrâneos do circo hollywoodiano. Para Cecil B. DeMille, o crime compensa; e, apesar dos pesares, é preciso seguir com o show.

 

Crepúsculo dos Deuses, filmado com menos da metade do orçamento do filme de DeMille, é menos otimista. No lugar de um herói como Brad Braden, romântico diretor do circo Ringling Bros, nos apresenta Joe Gillis (William Holden), um ganancioso roteirista disposto a humilhar-se em troca de dinheiro. Sua “musa inspiradora” é Norma Desmond (Gloria Swanson), uma decadente – porém ainda rica – atriz de cinema em nada parecida com Betty Hutton, jovem e bela trapezista de O Maior Espetáculo da Terra.

 

As diferenças entre os dois filmes, porém, podem ser melhor contempladas a partir de dois aspectos específicos. O primeiro deles diz respeito ao espaço: se em O Maior Espetáculo, o circo – visto como espaço de trabalho coletivo, de solidariedade – serve de cenário a toda a ação, em Crepúsculo dos Deuses, a mansão isolada de Norma Desmond, espécie de casa assombrada, simboliza o solipsismo de Joe Gillis e sua musa-patroa. Numa das cenas do filme, o casal assiste a um filme de Norma na sala da mansão. A situação que, diga-se de passagem, prefigura a tevê, serve de contraste à experiência coletiva do cinema (experiência, esta, que tem suas raízes em espetáculos como o circo) e sintetiza a solidão dos dois personagens.

 

O segundo aspecto diz respeito ao uso da tecnologia disponível no momento: O Maior Espetáculo da Terra usa e abusa de todas elas, inclusive a cor, elemento que dá ao filme um tom solar, compatível com a alegria circense. Crepúsculo dos Deuses, por sua vez, prefere o preto e branco, o jogo de luz e sombras que oprime suas personagens.

 

Não por acaso, Cecil B. DeMille aparecerá no filme de Wilder. É ele o diretor – o dono do espetáculo – que negará uma nova chance a Norma Desmond, acelerando a queda desta no abismo de morte e loucura de Crepúsculo dos Deuses.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

A Importância da Monitoração no Cinema

August 15, 2017

1/1
Please reload

Posts Recentes

July 19, 2017

June 25, 2017

April 11, 2017

January 29, 2017

January 8, 2017

December 7, 2016

Please reload

Arquivo
Please reload

Procurar por tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

atendimento@bucareste.com

Tel. (11) 99910-6048

     

Horário de funcionamento:

Segunda a Sexta / 10h às 22h

Sábado / 10h às 17h

Atendimento pessoal somente com hora marcada